Dispõe-te, resplandece, porque vem a tua luz, e a glória do Senhor nasce sobre ti. Porque eis que as trevas cobrem a Terra, e a escuridão, os povos, mas sobre ti aparece resplendente o Senhor, e a Sua glória se vê sobre ti. – Isaías 60:1-2

A igreja tem sido designada como o meio pelo qual a luz divina deve brilhar nas trevas morais deste mundo, e os raios do Sol da Justiça, que produzem paz, incidam sobre os corações humanos. O trabalho pessoal com indivíduos e com famílias constitui uma parte da obra a ser efetuada na vinha moral de Deus. A mansidão, apaciência, a clemência e o amor de Cristo precisam ser revelados nos lares do país. A igreja deve levantar-se e resplandecer. Radiante do Espírito e poder da verdade, o povo de Deus tem de sair a um mundo que jaz em trevas, para manifestar a luz da glória de Deus. O Senhor  tem  concedido aos homens nobres faculdades mentais que devem ser utilizadas para Sua honra; e, no trabalho missionário, essas faculdades mentais são postas em exercício ativo. Sábio aperfeiçoamento e desenvolvimento dos dons de Deus serão vistos em Seus servos. Dia a dia haverá progresso no conhecimento de Cristo.
Aquele que certa vez falou como nenhum homem já havia falado, e que Se revestiu da humanidade, ainda é o Grande Mestre. Quando seguis os Seus passos, buscando os perdidos, os anjos se aproximam, e mediante a iluminação do Espírito de Deus, será obtido maior conhecimento sobre as melhores maneiras e formas de realizar o trabalho entregue a vossas mãos.
Os que deveriam ser a luz do mundo apenas têm emitido raios débeis e enfermiços. Que é a luz? É piedade, bondade, verdade, misericórdia, amor; é a revelação da verdade no caráter e na vida. O evangelho depende da piedade pessoal de seus crentes, quanto a seu poder intensivo, e Deus tomou providências, mediante a morte de Seu Filho amado, para que toda alma pudesse estar perfeitamente instruída para toda boa obra. Toda alma deve ser uma luz brilhante e resplandecente, anunciando as virtudes dAquele que nos chamou das trevas para Sua maravilhosa luz. – EGW, R&H, 24/3/1891