Bem-aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor. Apocalipse 14:13

A grande Babilônia veio em lembrança perante Deus, “para dar-lhe o cálice do vinho do furor da Sua ira” (Ap 16:19). Grandes pedras de saraiva estão fazendo sua obra de destruição. Cada uma pesava “cerca de trinta e cinco quilos” (v. 21, NVI). As mais orgulhosas cidades da Terra são destruídas. Os luxuosos palácios em que os grandes do mundo dissiparam suas riquezas com a glorificação própria desmoronam-se diante de seus olhos. As paredes das prisões se abrem, e o povo de Deus, que estivera preso por causa de sua fé, é liberto.

Sepulturas serão abertas, e “muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e horror eterno” (Daniel 12:2). Todos os que morreram na fé contida na mensagem do terceiro anjo sairão do túmulo glorificados para ouvir o concerto de paz, estabelecido por Deus com os que guardaram a Sua lei. Aqueles que “O traspassaram” (Apocalpse 1:7), os que zombaram e escarneceram da agonia de Cristo e os mais furiosos inimigos de Sua verdade e de Seu povo ressuscitam para contemplá-Lo em Sua glória e ver a honra conferida aos fiéis e obedientes.

Densas nuvens ainda cobrem o céu. Contudo, o Sol surge de quando em quando, aparecendo como o olhar vingador de Jeová. Relâmpagos terríveis estalam dos céus, envolvendo a terra num lençol de chamas. Por sobre o estrondo medonho do trovão, vozes misteriosas e terríveis declaram a sorte dos ímpios. As palavras proferidas não são compreendidas por todos. Os falsos ensinadores, porém, as entendem distintamente. Os que pouco antes eram tão descuidados, tão arrogantes e desafiadores, tão exultantes em sua crueldade para com o povo de Deus, observador dos mandamentos, acham-se agora vencidos pela consternação e a estremecer de medo. Ouve-se o seu pranto acima do som da catástrofe. Demônios reconhecem a divindade de Cristo e tremem diante de Seu poder, enquanto os seres humanos estão suplicando misericórdia e rastejando em infeliz terror.

Ao contemplar em santa visão o dia de Deus, os profetas do passado disseram: “Uivai, pois está perto o Dia do Senhor; vem do Todo-Poderoso como assolação” (Isaías 13:6). “Entra nas rochas e esconde-te no pó, ante o terror do Senhor e a glória da sua majestade” (Isaías 2:10). – EGWhite, O Grande Conflito, p. 637, 638 – A Caminho do Lar