O SENHOR não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o SENHOR vê o coração. 1 Samuel 16:7

O pastor Jan Paulsen conta que, logo após ser eleito presidente mundial da Igreja Adventista, em 1999, uma senhora de seu país natal, a Noruega, expressou-lhe sua alegria pelo que tinha acontecido. “Seu regozijo não era tanto pelo fato de eu ter sido eleito, mas por ter sido escolhido alguém que não pertencia às dinastias de líde­res da igreja”, ele relata. Paulsen havia vindo do “nada” e alcançara posições impor­tantes na liderança da igreja. “Simplesmente maravilhoso!” disse a mulher.

“À medida que os anos se passaram, tenho refletido sobre a reação dela, e me convenci de que nenhuma nacionalidade, nenhuma etnia, nenhum indivíduo tem direitos exclusivos a qualquer posição de liderança dentro da igreja”, afirma Paulsen. “Os cargos da igreja não podem ser transmitidos como herança. Eles não são direitos conquistados. Deus tem – e seu povo também deve ter – total liber­dade na escolha de líderes.”

Paulsen diz que Deus o surpreendeu, “como frequentemente faz”. De fato, Deus costuma apresentar grandes surpresas ao escolher líderes para a igreja e suas insti­tuições. Em cada comissão de nomeação, as escolhas podem não ser as mais óbvias e esperadas. Nem todas as escolhas, previsíveis ou imprevisíveis, têm a aprovação divina, mas muitas delas trazem o sinete do Céu.

No passado, um dos casos mais surpreendentes foi a escolha de Davi como rei de Israel. Num belo dia, Deus enviou o profeta Samuel à casa de Jessé. Isso em si já era impensável. Depois, à medida que os filhos majestosos passavam diante do profeta, Deus ia rejeitando um a um: Eliabe, Aminadabe, Samá… sete ao todo.

Por fim, perplexo, talvez frustrado, o profeta pergunta se não havia mais nenhum filho. Sim, havia um que nem fora chamado, pois era muito jovem e inex­pressivo para a função. Surpresa das surpresas, foi o escolhido por Deus, que disse: “É este! Levante-se e unja-o” (1Sm 16:12).

Muitas vezes, olhamos para a estatura, os títulos, a posição, a biografia, e dizemos: “Ê este!” Porém, Deus diz: “Não! Veja o coração, não a aparência!” Deus vê a disponi­bilidade, a integridade, a transparência, a confiabilidade, a humildade, a perseverança, a dedicação, o amor. Para Deus, que lê os segredos do coração e conhece o futuro, importa mais a excelência do caráter do que a aparência do corpo. Assim como não se pode avaliar um livro pela capa, não se deve julgar um líder pela aparência.

Escolha líderes que sejam aprovados por Deus, ainda que isso pareça surpre­endente, e seja um líder segundo o coração de Deus.a-escolha-de-davi-1