…passando revista ao povo e aos sacerdotes e não tendo achado nenhum dos filhos de Levi… – Esdras 8:11

Finalmente Esdras parte para Jerusalém. Foi designado um lugar geral para reunião; e no tempo apontado, os que estavam desejosos de ir a Jerusalém se reuniram para a longa viagem. “E ajuntei-os perto do rio que vai a Aava, e ficamos ali acampados três dias” (v.15). Esdras esperava que um grande número retornasse a Jerusalém, mas o número dos que responderam ao chamado era desapontadoramente pequeno. Olhando o grupo reunido, Esdras ficou surpreso por não ver entre eles nenhum dos filhos de Levi (v.15-20). Eles deveriam ter sido  os primeiros a responder.

Esdras enviou-lhes um urgente convite para se unirem com o seu grupo (v.16). Ao todo, cerca de 40 sacerdotes e 220 netitins – homens em quem Esdras poderia confia como sábios ministro e bons mestres e ajudadores – foram levados ao acampamento (v.17-20). Surge um novo problema: Esdras estava levando peças de ouro e prata para Jerusalém, e não pedira escolta para o rei Artaxerxes, pois dissera que “a boa mão de Deus é sobre todos os que o buscam, para o bem deles”. Então pediu que todos se unissem em um jejum pedindo a proteção de Deus para a viajem que empreenderiam (v.21-23). Ele estava ciente de que os inimigos armariam ciladas para matar a todos e para roubar todos os pertences.

Cerca de 4 meses foram gastos na viagem, dado que a multidão que o acompanhava, vários milhares ao todos, incluindo mulheres e crianças, precisava andar devagar. Seus inimigos foram impedidos de fazer-lhes mal. Chegaram em segurança a Jerusalém. O bom senso diz que seria necessária uma escolta militar, mas ele confiou plenamente em Deus e ainda reforçou com um jejum, e Deus os atendeu levando-os com toda segurança. Confiar em Deus é tudo o que precisamos.viajando-pelo-deserto