FILHO PRÓDIGO – MM 2019

0
133

E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou. Lucas 15:20

Lucas 15 é a seção dos achados e perdidos da Bíblia. Ali estão três parábolas que mostram a busca incessante de Deus: a ovelha perdida, a dracma ­perdida e o filho pródigo. A história do filho pródigo é a maior e mais tocante das três. Aliás, poderíamos facilmente chamá-la de parábola do pai amoroso. Para entendê-la melhor, vamos analisar duas perguntas aparentemente óbvias.

A primeira é: Se o Pai era tão bom, por que o filho decidiu sair de casa?

Saiu porque tinha liberdade para sair. Deus nos criou livres e, embora nossas escolhas possam machucar Seu coração, Ele continua a respeitar nosso livre-arbítrio.

Saiu porque se cansou da rotina do lar. O filho estava aborrecido com o mundo tranquilo da fazenda. Olhava com desprezo a vida monótona de agricultor e considerava sua vida uma prisão. Para ele, tudo ali era sem graça. Queria mais agitação.

Saiu porque queria conhecer o desconhecido. Talvez tenha ido para alguma cidade grande da época em busca de diversão e liberdade. Desejando o desconhecido, destruiu o que era conhecido: sua família.

Ainda podemos perguntar: Se o filho queria tanto sair, por que depois quis voltar?

Voltou porque tinha liberdade para isso. No plano da redenção, Deus sempre busca salvar o ser humano. Ninguém foi tão longe que não possa voltar nem é tão pecador que não possa ser aceito novamente por Deus.

Voltou porque sentiu saudade. A saudade é um instrumento do Espírito Santo que nos faz lembrar a felicidade que temos ao lado de Deus. O filho se lembrou dos dias felizes de sua infância e adolescência.

Voltou porque precisava ser perdoado. O filho sabia que havia magoado profundamente o pai. Precisava acertar as contas.

Quanto a você, esteja certo de que “Cristo jamais abandonará a pessoa pela qual Ele morreu. O ser humano poderá deixá-Lo e ser vencido pela tentação; Cristo, porém, não pode nunca Se desviar daquele pelo qual pagou o resgate com a própria vida” (O Maior Discurso de Cristo, p. 118, 119). Qualquer pessoa pode ter um novo começo, uma nova oportunidade. O importante é correr para os braços do Pai.

Erton Köhler, Nossa Esperança, MM 2019, CPB

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA