Uivai, pois está perto o Dia do Senhor; vem do Todo-Poderoso como assolação.     – Isaías 13:6

Em Isaías 13, o profeta prepara a sua artilharia contra Babilônia. Deus passa em revista Seus exércitos. Ele ameaça destruir Babilônia por meio dos medos. E por fim fala sobre a desolação de Babilônia.

1 Advertência contra a Babilônia, que Isaías, filho de Amoz, recebeu em visão: 2 Levantem uma bandeira no topo de uma colina desnuda, gritem a eles; chamem-nos com um aceno, convoquem um exército contra Babilônia para que entrem pelas portas dos nobres. 3 Eu mesmo ordenei aos meus santos (pessoas separadas para uma tarefa específica); para executarem a minha ira já convoquei os meus guerreiros, os que se regozijam com o meu triunfo.

4 Escutem! Há um barulho nos montes como o de uma grande multidão! Escutem! É uma gritaria entre os reinos, como nações formando uma imensa multidão! O Senhor dos Exércitos está reunindo um exército para a guerra. 5 Eles vêm de terras distantes, lá dos confins dos céus; o Senhor e as armas da sua ira, para destruírem todo o país. 6 Chorem, pois o dia do Senhor está perto; virá como destruição da parte do Todo-poderoso. 

7 Por isso, todas as mãos ficarão trêmulas, o coração de todos os homens se derreterá.  8 Ficarão apavorados, dores e aflições os dominarão; eles se contorcerão como a mulher em trabalho de parto. Olharão chocados uns para os outros, com os rostos em fogo.  9 Vejam! O dia do Senhor está perto, dia cruel, de ira e grande furor, para devastar a terra e destruir os seus pecadores. 10 As estrelas do céu e as suas constelações não mostrarão a sua luz. O sol nascente escurecerá, e a lua não fará brilhar a sua luz.

11 Eu, o Senhor, castigarei o mundo por causa da sua maldade, os ímpios pela sua iniquidade. Darei fim à arrogância dos altivos e humilharei o orgulho dos cruéis. 12 Tornarei o homem mais escasso do que o ouro puro, mais raro do que o ouro de Ofir. 13 Por isso farei o céu tremer; e a terra se moverá do seu lugar diante da ira do Senhor dos Exércitos, no dia do furor da sua ira. 

14 Como a gazela perseguida, como a ovelha que ninguém recolhe, cada um voltará para o seu povo, cada um fugirá para a sua terra. 15 Todo o que for capturado será traspassado; todos os que forem apanhados cairão à espada. 16 Seus bebês serão despedaçados diante dos seus olhos; suas casas serão saqueadas e suas mulheres violentadas. 17 Vejam! Eu despertarei contra eles o Reino da Média, não poderão ser subornados, pois não se interessam pela prata nem se deleitam com o ouro. 18 Seus arcos ferirão os jovens, e eles não terão misericórdia dos bebês, nem olharão com compaixão para as crianças.

19 Babilônia, a joia dos reinos, o esplendor do orgulho dos babilônios. será destruída por Deus à semelhança de Sodoma e Gomorra. 20 Nunca mais será repovoada nem habitada, de geração em geração; o árabe não armará ali a sua tenda e o pastor não fará descansar ali o seu rebanho. 21 Mas as criaturas do deserto lá estarão, e as suas casas se encherão de chacais; nela habitarão corujas e saltarão bodes selvagens. 22 As hienas uivarão em suas fortalezas, e os chacais em seus luxuosos palácios. O tempo  Babilônia  está terminando, e os seus dias não serão prolongados.

O Dia do Senhor é quando, historicamente, se encerra o tempo de graça de uma cidade ou nação, e, por fim, o destino de todos é fixado para sempre. Durante o “dia da salvação”, pessoas e nações estão livres para exercer o poder que Deus dá para escolher entre o bem e o mal, mas com a chegada do “Dia do Senhor”, a vontade de Deus se torna suprema, não sendo mais limitada pelo exercício da vontade humana. Estamos vivendo no tempo da graça, no dia da salvação. Escolha servir ao Senhor.