Fugiu a alegria e o regozijo do pomar; nas vinhas já não se canta, nem há júbilo algum; já não se pisarão as uvas nos lagares. Eu fiz cessar o eia (o canto) dos pisadores. – Isaías 16:10

Isaías 16 é uma sequência do capítulo 15, onde o profeta apresenta as profecias contra Moabe. Moabe é exortada a render obediência ao reino do Messias e é ameaçada por causa do orgulho. O profeta lamenta por Moabe, mas o juízo é inevitável.

1 Enviem cordeiros como tributo ao governante da terra, desde Selá, atravessando o deserto, até o monte Sião. 2 As mulheres de Moabe foram abandonadas como aves perdidas, lançadas fora do ninho, nas partes rasas do rio Arnom. 3 “Dá conselhos e propõe uma decisão, elas propõem. Torna a tua sombra como a noite em pleno meio-dia e esconde os fugitivos; não deixes ninguém saber onde estão os refugiados. Não nos traiam agora que escapamos. 4 Que os fugitivos moabitas habitem contigo; sê para eles abrigo contra o destruidor.” O opressor há de ter fim, a destruição se acabará e o agressor desaparecerá da terra,  5 então, em amor será firmado um trono; em fidelidade um homem se assentará nele na tenda de Davi: um Juiz que busca a justiça e se apressa em defender o que é justo.

6 Ouvimos acerca da soberba de Moabe: da sua arrogância exagerada, de todo o seu orgulho e do seu ódio; mas tudo isso não vale nada. 7 Por isso choram os moabitas, todos choram por Moabe. Cada um lamenta e se entristece pelos bolos de passas de Quir-Haresete; não resta um sequer. 8 As lavouras de Hesbom estão murchas, abandonadas como também as videiras de Sibma. Os governantes das nações pisotearam as melhores videiras, que antes chegavam até Jazar e estendiam-se para o deserto. Seus brotos espalhavam-se e chegavam ao mar Morto.

9 Por isso eu choro, como Jazar chora, por causa das videiras de Sibma. Hesbom, Eleale, com minhas lágrimas eu as encharco! Pois não se ouvem mais os gritos de alegria por seus frutos e por suas colheitas. 10 Foram-se a alegria e a exultação dos pomares; ninguém canta nem grita nas vinhas; ninguém pisa as uvas nos lagares, pois fiz cessar os gritos de alegria. Acabei com toda a alegria de suas colheitas.

11 Por isso as minhas entranhas gemem como harpa por Moabe; o íntimo do meu ser estremece , estou angustiado por Quir-Heres. 12 Quando Moabe se apresentar cansado nos lugares altos, e for ao seu santuário idólatra, nada conseguirá. Clamarão aos deuses em seus templos, mas ninguém poderá salvá-los. 

13 Essa palavra o Senhor já havia falado acerca de Moabe no passado. 14 Mas agora o Senhor diz: “Dentro de três anos, e nem um dia a mais, o esplendor de Moabe e toda a sua grande população serão desprezados, e os seus sobreviventes serão poucos e fracos”.

Os moabitas haviam sido advertidos a permitir que os estrangeiros de Judá se refugiassem no seu meio e a escondê-los dos que buscavam destruí-los. Esta mensagem foi dada a Moabe um século antes de os babilônios invadirem Judá, quando milhares de judeus buscaram refúgio em Moabe. No entanto, naquele tempo o conselho não foi levado em conta, e os moabitas se deleitaram com as desgraças que caíram sobre Judá. Por essa razão, um terrível juízo cairia sobre Moabe.