Se alguém quiser fazer a vontade dEle, conhecerá a respeito da doutrina. João 7:17

O primeiro e mais elevado dever de todo ser racional é aprender das Escrituras o que é a verdade, e então andar na luz, animando outros a seguirem este exemplo. Todos os dias devemos estudar a Bíblia cuidadosamente, examinando todo pensamento e comparando passagem com passagem. Com o auxílio divino, devemos formar nossas opiniões por nós mesmos, visto termos de responder por nós mesmos perante Deus.

As verdades reveladas na Bíblia têm sido envoltas em dúvida e trevas por pes­soas cultas que, com pretensão de grande sabedoria, ensinam que as Escrituras têm um sentido místico, secreto, espiritual, que não transparece na linguagem empregada. Esses indivíduos são falsos ensinadores. Foi a essa classe que Jesus declarou: “Vocês estão enganados!, pois não conhecem as Escrituras nem o poder de Deus” (Mc 12:24, NVI). A linguagem da Bíblia deve ser explicada de acordo com o seu claro sentido, a menos que seja empregado um símbolo ou figura. Cristo fez a promessa: “Se alguém quiser fazer a vontade dEle, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus” (Jo 7:17). Se as pessoas tão somente tomassem a Bíblia como ela é, e não houvesse falsos ensinadores para desencaminhá-las e confun­dir sua mente, seria realizada uma obra que alegraria os anjos e que traria para o redil de Cristo milhares de milhares que agora estão em erro.

Cumpre a nós exercer toda a capacidade da mente no estudo da Bíblia, e apli­car o intelecto em compreender as profundas coisas de Deus, tanto quanto pos­sam fazer os mortais. Entretanto, não devemos nos esquecer de que a docilidade e submissão da criança é o verdadeiro espiritado aprendiz. As dificuldades encon­tradas nas Escrituras jamais podem ser dominadas pelos mesmos métodos que se empregam em se tratando de problemas filosóficos. Não devemos nos empe­nhar no estudo da Bíblia com aquela confiança em nós mesmos com que tantos adentram os domínios da ciência, mas com total dependência de Deus e sincero desejo de conhecer Sua vontade. Devemos nos aproximar com espírito humilde e dócil para obter conhecimento do grande Eu Sou. De outro modo, anjos maus cegarão nossa mente, endurecendo-nos o coração para que não sejamos impres­sionados pela verdade.

Muitos trechos da Bíblia que os eruditos declaram ser misteriosos, ou que não consideram como tendo importância, estão repletos de conforto e instru­ção para aquele que aprender na escola de Cristo (O Grande Conflito, p. 598, 599). Como uma criança