A todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte. Apocalipse 13:16.

Enquanto Satanás procura destruir os que honram a lei de Deus, fará com que sejam acusados como violadores da lei, como indivíduos que estão desonrando a Deus e acarretando juízos sobre o mundo.Enquanto Satanás procura destruir os que honram a lei de Deus, fará com que sejam acusados como violadores da lei, como indivíduos que estão desonrando a Deus e acarretando juízos sobre o mundo.[…]

Os que honram o sábado bíblico serão denunciados como inimigos da lei e da ordem, como se estivessem derrubando as restrições morais da sociedade, causando não apenas anarquia e corrupção, mas atraindo os juízos de Deus sobre a Terra. Será declarado que seus conscienciosos escrúpulos são teimosia, obstinação e desdém à autoridade. Serão acusados de deslealdade para com o governo. Pastores que negam a obrigação da lei divina apresentarão do púlpito o dever de prestar obediência às autoridades civis, como sendo ordenadas por Deus. Nas assembleias legislativas e tribunais de justiça, os observadores dos mandamentos serão caluniados e condenados. Será dado um falso colorido às suas palavras. A pior interpretação será dada aos seus intuitos.

Quando as igrejas protestantes rejeitarem os argumentos claros das Escrituras Sagradas em defesa da lei de Deus, almejarão silenciar aqueles cuja fé não podem subverter pela Bíblia. Embora fechem os olhos ao fato, estão agora a enveredar pelo caminho que levará à perseguição dos que conscienciosamente se recusam a fazer o que o resto do mundo cristão se acha a praticar, e a reconhecer as pretensões do sábado papal.

Os altos oficiais da Igreja e do Estado vão unir-se para subornar, persuadir ou forçar todas as classes a honrar o domingo. A falta de autoridade divina será suprida por legislação opressiva. A corrupção política está destruindo o amor à justiça e a consideração para com a verdade. Mesmo na livre América do Norte, governantes e legisladores, a fim de conseguir o favor do público, cederão ao pedido popular de uma lei que imponha a observância do domingo. A liberdade de consciência, obtida a tão elevado preço de sacrifício, não será mais respeitada. No conflito prestes a desencadear-se, veremos exemplificadas as palavras do profeta: “Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus” (Ap 12:17). EGWhite, O Grande Conflito, p. 591, 592