O que tapa o ouvido ao clamor do pobre também clamará e não será ouvido.          – Salmo 21:13

Em Provérbios 21, Salomão dá sequência aos seus pensamentos, e chama a atenção para diversas situações que vivenciamos em nosso dia a dia, como: os caminhos que parecem retos aos olhos dos homens, o olhar altivo, o coração orgulhoso, os planos de cada um, a língua falsa, a violência dos perversos, a mulher rixosa…

1 Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer. É necessário que Deus direcione o coração dos monarcas, dos líderes a caminhos que eles não seguiriam de outra maneira.

2 Todo caminho do homem é reto aos seus olhos, mas o Senhor sonda os corações, examina os nossos motivos.

3 Fazer justiça e juízo, viver com pureza diante de Deus e tratar o próximo com justiça, é mais aceitável ao Senhor do que sacrifício.

4 Os olhos altivos, o coração orgulhoso e a lavoura dos ímpios é pecado, são a marca registrada dos perversos. Não são fundamentadas na obediência e desagradam a Deus.

5 Os pensamentos do diligente tendem só para a abundância, o planejamento cuidadoso dá a você a dianteira na longa corrida da vida; porém os de todo apressado, tão-somente para a pobreza, a pressa e a correria deixam você para trás.

6 Trabalhar com língua falsa para ajuntar tesouros é vaidade que conduz aqueles que buscam a morte. Aqueles que desejam fama e fortuna usando de mentiras são um mero fôlego que logo passará.

7 As rapinas dos ímpios os destruirão, eles serão enterrados vivos com seus ganhos ilícitos,  porquanto se recusam a fazer justiça, a ajudar os outros. O comportamento injusto do perverso traz as próprias consequências.

8 O caminho do homem é todo perverso e estranho, seus motivos confusos transformam a vida num emaranhado; porém a obra do homem puro é reta.

9 É melhor morar num canto de telhado, ou em uma cabana caindo aos pedaços, do que ter como companheira em casa ampla uma mulher briguenta, resmungona. É melhor ficar exposto ao vento e à chuva do que à língua briguenta e irritante da mulher rixosa.

10 A alma do ímpio deseja o mal, tem prazer na confusão; o seu próximo não agrada aos seus olhos, não sente nada por eles. O vício torna o ser humano egoísta e endurecido de coração, não só com o próximo, mas também com a própria família.

11 Quando o escarnecedor é castigado, o simples torna-se sábio; e o sábio quando é instruído recebe o conhecimento. O escarnecedor é considerado endurecido demais para que o castigo o ajude,, mas o simples ainda não está imune à reforma, por isso aceita advertência e pode aprender a prudência. O sábio não precisa ser surrado, nem ver outro sofrer castigo. Ele aprende rápido, com uma simples repreensão.

12 O justo considera com prudência a casa do ímpio; mas Deus destrói os ímpios por causa dos seus males. O Senhor vigia justos e injustos, para proteger os primeiros e derrubar os últimos, quando se tornam uma ameaça.

13 O que tapa o seu ouvido ao clamor do pobre, ele mesmo também clamará e não será ouvido. O comportamento insensível pode trazer retribuição nesta vida e, com certeza, será lembrado no juízo vindouro.

14 O presente dado em segredo aplaca a ira, acalma a pessoa irritada, e a dádiva no regaço põe fim à maior indignação, ameniza o temperamento difícil.

15 O fazer justiça é alegria para o justo, eles festejam quando a justiça triunfa; mas para quem trabalha para o mal, é dia de destruição.

16 O homem que anda desviado do caminho do entendimento, na congregação dos mortos repousará. Negligenciar o entendimento e rejeitar o temor do Senhor é o mesmo que garantir para si um lugar eterno com os mortos.

17 O que ama os prazeres, que é viciado em tudo que o mundo oferece, padecerá necessidade; o que ama o vinho e o azeite nunca enriquecerá. A busca do prazer nunca é satisfeita. Festas e bebedeiras não exemplos da prodigalidade que causa miséria.

18 O resgate do justo é o ímpio; o do honrado é o perverso. O mal planejado contra um justo voltará para o perverso; de fato o acertará em cheio, como um bumerangue.

19 É melhor morar numa terra deserta, em uma tenda no deserto, do que com a mulher rixosa e irritadiça.

20 Tesouro desejável e azeite há na casa do sábio, lá elas estão seguras; mas o homem insensato os esgota, acabam com tudo.

21 O que segue a justiça e a beneficência achará a vida, a justiça e a honra. Quem se comporta com retidão e misericórdia em relação aos outros, achará a vida, a justiça e a honra.

22 O sábio escala a cidade do poderoso e derruba a força da sua confiança. A cidade, mesmo cheia de soldados, desmoronará diante da sabedoria do sábio!

23 O que guarda a sua boca e a sua língua guarda a sua alma das angústias.

24 O soberbo e presumido, zombador é o seu nome, trata com indignação e soberba, todos tem pavio curto e descontrolados.

25 O desejo do preguiçoso o mata, ele acaba morrendo de fome porque as suas mãos recusam trabalhar. Tudo que traz sucesso e honra para esta vida e para a vindoura parece se esquivar do preguiçoso, deixando-o pouco superior aos animais selvagens.

26 O cobiçoso cobiça o dia todo, está sempre desejando o que não têm;  mas o justo dá, e nada retém, está sempre ajudando a quem precisa.

27 O sacrifício dos ímpios já é abominação. Todo sacrifício oferecido por um pecador que não se arrependeu é inaceitável; quanto mais oferecendo-o com má intenção, querendo tirar alguma vantagem, para ter aparência de piedade, a fim de enganar os outros! Há muitos que dão para a igreja ou para caridade parte do lucro de seus negócios irregulares com a ilusória ideia de que acertaram as coisas com Deus.

28 A falsa testemunha perecerá, ela não consegue ser convincente; porém o homem que dá ouvidos falará sempre, o que fala a verdade é respeitado. O homem obediente a Deus será cauteloso no falar.

29 O homem ímpio endurece o seu rosto, vive fingindo; mas o reto considera o seu caminho, é seguro de seus passos. A pessoa atrevida e sem princípios defende uma posição sem preocupar com o certo ou o errado, e depois é teimosa demais para mudar. O justo deseja viver em harmonia com a vontade de Deus que o prepare para o Céu.

30 Não há sabedoria, nem inteligência, nem conselho contra o Senhor. Nenhum plano, nenhuma maquinação, nenhuma invenção jamais vencerão Deus. Os seres criados não tem sabedoria nem entendimento que possa se comparar ao Senhor, nem conseguem superar Seus conselhos.

31 Prepara-se o cavalo para o dia da batalha, porém do Senhor vem a vitória. Por mais bem preparados que os seres humanos estejam para a guerra ou para qualquer outra grande iniciativa, a vitória ou o sucesso provêm do Senhor.

Como nós somos dependentes de Deus em todos os aspectos da vida. Se colocarmos os nosso planos, nossos projetos, diante de Deus, e aprendermos a esperar a Sua resposta, jamais nos arrependeremos, pois Ele sempre sabe o que é melhor para nós e o tempo dEle não é o nosso tempo. A vitória sempre virá da parte de Deus. Aprender a esperar e a confiar é tudo o que precisamos.