Ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta. Apocalipse 12:12

Satanás tem prazer na guerra. Os combates despertam as mais vis paixões humanas, varrendo para a eternidade as suas vítimas engolfadas no vício e sangue. É seu objetivo incitar as nações à guerra umas contra as outras. Assim, ele pode desviar o espírito do povo da obra de preparo para estar em pé no dia de Deus.

Satanás também atua por meio dos desastres naturais, a fim de recolher sua colheita de pessoas desprevenidas. Estudou os segredos dos laboratórios da natureza e emprega todo o seu poder para dirigir os elementos tanto quanto Deus o permite. Quando lhe foi permitido afligir Jó, rapidamente rebanhos, servos, casas e filhos foram assolados, seguindo-se em um momento uma desgraça a outra! É Deus que protege as Suas criaturas, guardando-as do poder do destruidor. No entanto, o mundo cristão mostrou desdém pela lei de Jeová, e o Senhor fará exatamente o que declarou que faria: retirará Suas bênçãos da Terra, removendo Seu cuidado protetor dos que estão se rebelando contra a sua lei e não apenas ensinando, mas forçando outros a fazerem o mesmo. Satanás exerce domínio sobre todos os que Deus não guarda especialmente. Ajudará e fará prosperar alguns para favorecer os intuitos dele mesmo. Trará calamidade sobre outros e levará as pessoas a crer que é Deus que os aflige.

Ao mesmo tempo em que aparece aos seres humanos como grande médico que pode curar todas as enfermidades, Satanás trará moléstias e desgraças até que cidades populosas se reduzam à ruína e desolação. Ele ainda está em atividade. Nos acidentes e nas calamidades no mar e em terra, nos grandes incêndios, nos violentos furacões e terríveis saraivadas, nas tempestades, nas inundações, nos ciclones, nas ressacas e nos terremotos; em toda parte e sob milhares de formas, Satanás está exercendo o seu poder. Destrói a seara que está amadurecendo, seguindo-se a fome e a angústia. Contamina o ar com infecção mortal, e milhares perecem por epidemias. Essas ocorrências devem tornar-se mais e mais frequentes e desastrosas. A destruição será tanto sobre o ser humano como sobre os animais. “A Terra pranteia e se murcha”, “enlanguescem os mais altos do povo da Terra. […] Na verdade, a Terra está contaminada por causa dos seus moradores, porquanto transgridem as leis, violam os estatutos e quebram a aliança eterna” (Is 24:4, 5)               – EGWhite, O Grande Conflito, p. 589, 590.