Maldito o que faz com negligência o trabalho do Senhor! Maldito aquele que impede a sua espada de derramar sangue! – Jeremias 48:10

Em Jeremias 48, o profeta avisa Moabe sobre o seu julgamento por seu orgulho, por sua segurança, autoconfiança e elo desprezo para com Deus e Seu povo. Mas também fala sobre a restauração futura de Moabe.

Acerca de Moabe: Assim diz o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel: Ai de Nebo, pois ficou em ruínas. Quiriataim foi derrotada e capturada; a fortaleza foi derrotada e derrubada.  Moabe não é mais louvada; em Hesbom tramam a sua ruína: “Venham! Vamos dar fim àquela nação”. Você também ficará calada, ó Madmém; a espada a perseguirá.  Ouçam os gritos de Horonaim: “Devastação! Grande destruição! Moabe está destruída!” É o grito que se ouve até em Zoar. Eles sobem pelo caminho para Luíte, chorando amargamente enquanto seguem; na estrada que desce a Horonaim ouvem-se gritos angustiados por causa da destruição. Fujam! Corram para salvar suas vidas; tornem-se como um arbusto no deserto. Uma vez que vocês confiam em seus feitos e em suas riquezas, vocês também serão capturados, e Camos irá para o exílio, junto com seus sacerdotes e líderes. (v.1-7)
O destruidor virá contra todas as cidades, e nenhuma escapará. O vale se tornará ruínas, e o planalto será destruído, como o Senhor falou. Ponham sal sobre Moabe, pois ela será deixada em ruínas; suas cidades ficarão devastadas, sem nenhum habitante. Maldito o que faz com negligência o trabalho do Senhor! Maldito aquele que impede a sua espada de derramar sangue (enfatizando a destruição inevitável de Moabe)! (v.8-10)
Moabe tem estado tranquila desde a sua juventude, como o vinho deixado com os seus resíduos; não foi mudada de vasilha em vasilha. Nunca foi para o exílio; por isso, o seu sabor permanece o mesmo e o seu cheiro não mudou. Portanto, certamente vêm os dias”, declara o Senhor, “quando enviarei decantadores que a decantarão; esvaziarão as suas jarras e as despedaçarão. Então Moabe se decepcionará com Camos, assim como Israel se decepcionou com o bezerro de ouro que fez em Betel, em quem confiava. (v.11-13)
Como vocês podem dizer: “Somos guerreiros, somos homens de guerra”? Moabe foi destruída e suas cidades serão invadidas; o melhor dos seus jovens desceu para a matança, declara o Rei, cujo nome é Senhor dos Exércitos. A derrota de Moabe está próxima; a sua desgraça vem rapidamente. Lamentem por ela todos os seus vizinhos, todos os que conhecem a sua fama. Digam: Como está quebrado o cajado poderoso, o cetro glorioso! (v.14-17)
Desçam de sua glória e sentem-se sobre o chão ressequido, ó moradores da cidade de Dibom, pois o destruidor de Moabe veio para atacá-los e destruir as suas fortalezas.  Fiquem junto à estrada e vigiem, vocês que vivem em Aroer. Perguntem ao homem que foge e à mulher que escapa, perguntem a eles: O que aconteceu? Moabe ficou envergonhada, pois está destroçada. Gritem e clamem! Anunciem junto ao Arnom que Moabe foi destruída. O julgamento chegou ao planalto: a Holom, Jaza e Mefaate, a Dibom, Nebo e Bete-Diblataim, a Quiriataim, Bete-Gamule e Bete-Meom, a Queriote e Bozra, a todas as cidades de Moabe, distantes e próximas. (v.18-24)
O poder de Moabe foi eliminado; seu braço está quebrado, declara o Senhor. Embriaguem-na, pois ela desafiou o Senhor. Moabe se revolverá no seu vômito e será objeto de ridículo.  Você não zombou dos israelitas? Foi ele encontrado em companhia de ladrões para que você sacuda a cabeça sempre que fala dele? (v.25-27)
Abandonem as cidades! Habitem entre as rochas, vocês que moram em Moabe! Sejam como uma pomba que faz o seu ninho nas bordas de um precipício. Temos ouvido do orgulho de Moabe: da sua extrema arrogância, do seu orgulho e soberba, e do seu espírito de superioridade. Conheço bem a sua arrogância”, declara o Senhor. “A sua tagarelice sem fundamento e as suas ações que nada alcançam. Por isso, me lamentarei por Moabe, gritarei por causa de toda a terra de Moabe, prantearei pelos habitantes de Quir-Heres. (v.28-31)
Chorarei por vocês mais do que choro por Jazar, ó videiras de Sibma. Os seus ramos se estendiam até o mar, e chegavam até Jazar. O destruidor caiu sobre as suas frutas e sobre as suas uvas. A alegria e a satisfação se foram das terras férteis de Moabe. Interrompi a produção de vinho nos lagares. Ninguém mais pisa as uvas com gritos de alegria; embora haja gritos, não são de alegria. O grito de Hesbom é ouvido em Eleale e Jaaz, desde Zoar até Horonaime Eglate-Selisia, pois até as águas do Ninrim secaram. Em Moabe darei fim àqueles que fazem ofertas nos altares idólatras e queimam incenso a seus deuses, declara o Senhor. Por isso o meu coração lamenta-se por Moabe, como uma flauta; lamenta-se como uma flauta pelos habitantes de Quir-Heres. A riqueza que acumularam se foi. Toda cabeça foi rapada e toda barba foi cortada; toda mão sofreu incisões e toda cintura foi coberta com veste de lamento. Em todos os terraços de Moabe e nas praças não há nada senão pranto, pois despedacei Moabe como a um jarro que ninguém deseja, declara o Senhor. “Como ela foi destruída! Como lamentam! Como Moabe dá as costas, envergonhada! Moabe tornou-se objeto de ridículo e de pavor para todos os seus vizinhos”. (v.32-39)
Assim diz o Senhor: Vejam! Uma águia planando estende as asas sobre Moabe. Queriote será capturada,  e as fortalezas serão tomadas. Naquele dia, a coragem dos guerreiros de Moabe será como a de uma mulher em trabalho de parto. Moabe será destruída como nação pois ela desafiou o Senhor. Terror, cova e laço esperam por você, ó povo de Moabe, declara o Senhor. “Quem fugir do terror cairá numa cova, e quem sair da cova será apanhado num laço. Trarei sobre Moabe a hora do seu castigo”, declara o Senhor. Na sombra de Hesbom os fugitivos se encontram desamparados, pois um fogo saiu de Hesbom, uma labareda, do meio de Seom; e queima as testas dos homens de Moabe e os crânios dos homens turbulentos. Ai de você, ó Moabe! O povo de Camos está destruído; seus filhos são levados para o exílio, e suas filhas para o cativeiro. “Contudo, restaurarei a sorte de Moabe em dias vindouros”, declara o Senhor. Aqui termina a profecia de Jeremias contra Moabe. (v.40-47)

Moabe era descendente de Ló, sobrinho de Abraão. Esta nação chegou a ser anexada a Israel durante o reinado de Davi. Este capítulo lista uma série de 25 cidades que sofreriam o flagelo dos babilônios, O motivo para esse flagelo foi a forma como trataram os israelitas, em momento de fraqueza, e também pelo orgulho e arrogância dessa nação, que se achava inexpugnável. Deus derruba os orgulhosos, para que aprendam a reconhecer que tudo devem ao Senhor, Criador e Mantenedor do Universo.

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA