DEUTERONÔMIO 17 – O CASTIGO DA IDOLATRIA

0
546

Não sacrifiquem ao Senhor, novilho ou ovelha com defeito ou doente. Isso é abominação, um insulto ao seu Deus. – Deuteronômio 17:1

Em Deuteronômio 17, Moisés chama a atenção do povo para quatro itens importantes que poderiam afetar o relacionamento deles com Deus:

  1. As ofertas ao Senhor, não poderiam ter nenhum defeito, nem estarem doentes, pois esse tipo de oferta é uma abominação, um insulto ao Senhor (v.1);
  2. Caso percebessem qualquer indício de idolatria, deveriam investigar atentamente a veracidade do fato, e para isso seriam necessárias 2 ou 3 testemunhas, e então deveriam executar o idolatra através do apedrejamento diante do povo, para que todos entendessem que isso é abominável ao Senhor. Deveriam eliminar o mal de seu meio (v.2-7);
  3. Casos de difícil solução, sobre homicídio ou agressão, deveriam ser levados diante dos sacerdotes e dos juízes para avaliação e veredicto. A pena estabelecida deveria ser executada conforme a determinação dos mesmos, uma vez que as autoridades estavam usando a lei de Deus como base para o julgamento. Quem ignorasse ou distorcesse a decisão das autoridades que estavam exercendo o ofício na presença de Deus, deveria ser executada. Assim, os que souberem da punição pensariam duas vezes antes de errar. Isso combateria presunção (v.8-15);
  4. Deus antecipou a Moisés que, em breve o povo iria querer um rei para si, conforme as outras nações tinham, esquecendo-se de que eram dirigidos por Deus. Deveriam ter alguns cuidados na escolha:
  • Deveria ser israelita;
  • Não ter muitos cavalos, nem voltar ao Egito em hipótese alguma;
  • Não ter muitas esposas, para não se afastar de Deus;
  • Não acumular para sí muita prata e ouro;
  • Deveria ter uma copia da lei de Deus, para ser justo em seus julgamento e sempre temer ao Senhor, seu Deus (v.16-20).

Deus conhece o futuro, e nós precisamos acreditar que Suas orientações são para o nosso bem. Não permitamos que nada nos afaste do Senhor e sejamos fiéis em tudo o que estiver ao nosso alcance.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA