Mas Pedro O seguia de longe até ao pátio do sumo sacerdote e, tendo entrado, assentou-se entre os serventuários, para ver o fim. Mateus 26:58

Simão Pedro foi um homem intenso e inconstante. Em muitas situações, seguiu Jesus de longe. Em Mateus 26, por exemplo, encontramos seis momentos em que ele estava fisicamente perto de Cristo, mas seu coração mantinha uma distância perigosa.

O primeiro aconteceu na santa ceia (v. 20-30). Em uma das mais solenes cerimônias religiosas da história, seu coração estava distraído, e sua visão, sem foco. Nesse caso, ele representa aqueles que vão à igreja com preocupação meramente relacional e mundana. Sempre distraídos das realidades ­espirituais
profundas, perdem a oportunidade de consagrar a vida a Deus.

No segundo momento, Pedro rejeitou o alerta e preferiu a exaltação
(v. 31- 33). Em vez de se apoiar em Cristo, optou por exaltar a própria condição. Esse fato simboliza os que brigam por cargos e posições, são autoconfiantes, duros na crítica e sempre tentam ser melhores que os outros.

No terceiro, Pedro expressou com palavras o que não sentia no coração
(v. 35). Foi convincente ao afirmar: “Morrerei, mas não Te negarei.” Representou uma religião feita de boas intenções, mas da boca para fora.

No quarto momento, dormiu quando deveria estar orando (v. 37-45). Jesus foi insistente, mas Pedro não resistiu. Quando agimos assim, começamos a perder o interesse pelas coisas de Deus. Na oração, aumenta o cansaço e diminui a vontade. A Bíblia fica fechada; a Lição da Escola Sabatina, esquecida; e os escritos de Ellen White, empoeirados.

No quinto, Pedro tentou resolver as coisas de seu jeito (v. 51-54). Não teve paciência e enfrentou sozinho a multidão. Nesse caso, ele agiu como aqueles que não perseveram em oração. Se Deus não age, querem dar o próprio jeito.

No sexto, tentou esconder sua identidade religiosa (v. 69-75). A queda foi desmascarada com o cantar do galo. Essa situação ilustra a realidade das pessoas que, para não perder amigos, negam o que acreditam e perdem oportunidades de testemunhar, por medo e vergonha.

Não se distancie de Jesus. Siga-O de perto, fundamente sua vida Nele, e você será constante e firme como uma pedra.

Erton Köhler, Nossa Esperança, MM 2019,CPB

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA