VIAGEM ESPACIAL – MM 2019

0
184

Depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. 1 Tessalonicenses 4:17

Há exatamente um ano, em 14 de março de 2018, morreu Stephen Hawking. Cientista renomado, nasceu em Oxford, Inglaterra, no dia 9 de janeiro de 1942. Caçula de quatro irmãos, ainda pequeno, era chamado de Einstein pelos colegas da escola. Mesmo sofrendo por conta da esclerose lateral amiotrófica, diagnosticada quando ele tinha apenas 21 anos, Hawking viveu 76 anos e foi um dos mais notáveis cientistas da história.

Infelizmente, Stephen dedicou sua vida e o conhecimento científico que possuía para defender a origem do Universo e da vida como fruto do acaso, além de ridicularizar a existência de Deus. Ele dizia: “Antes de entendermos a ciência, o lógico era acreditar que Deus criou o Universo; mas, agora, a ciência oferece uma explicação mais convincente […]. Não há nenhum Deus. Sou ateu. A religião crê em milagres, mas eles não são compatíveis com a ciência.”

Apesar de todos seus conflitos com Deus, a criação, os milagres e as questões espirituais, Hawking reconhecia que “estamos ficando sem espaço, e os únicos lugares a serem encontrados são outros mundos. É hora de explorar outros sistemas solares. Espalhar-se pode ser a única coisa que vai nos salvar de nós mesmos. Estou convencido de que os humanos precisam sair da Terra”.

Hawking, mesmo sendo ateu, acabou estimulando a confiança nas promessas de Deus. Afinal, foi o Senhor que profetizou o estado de calamidade do planeta antes do fim, apontando o único caminho para deixá-lo. Essa não é a grande descoberta de Hawking, mas a grande esperança dos cristãos. Segundo Ellen White, os salvos: “Livres da mortalidade, alçarão voo incansável para os mundos distantes – mundos que fremiram de tristeza ante o espetáculo da desgraça humana e ressoaram com cânticos de alegria ao ouvir as novas de uma alma resgatada” (O Grande Conflito, p. 677).

O Senhor da física, das estrelas, do cosmos e do Universo não elaborou uma teoria, mas fez uma promessa assinada com o próprio sangue. A hora da partida está muito próxima, a viagem já está paga e não será por um período curto, mas por toda a eternidade. Não fique de fora!

Erton Köhler, Nossa Esperança, MM 2019, CPB

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA