Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quado for velho, não se desviará dele. – Provérbios 22:6

No livro de Provérbios, no capítulo 22, Salomão continua a expor os seus pensamentos, e a partir do versículo 22, até o capítulo 24, fariam parte de uma coletânea de 30 provérbios endereçada à muitos que iam até ele ou enviavam mensageiros para encontrar uma resposta garantida para os problemas da vida e da morte.

1 Vale mais ter um bom nome do que muitas riquezas; e o ser estimado é melhor do que a riqueza e o ouro. Um homem digno e a estima, conquistados por uma vida justa, são verdadeiras riquezas.

2 O rico e o pobre se encontram; a todos o Senhor os fez. Ambos foram feitos pelo Senhor, e ambos dependem um do outro. Os ricos dependem dos pobres para vários serviços, e os pobres servem com fidelidade àqueles que os empregam.

3 O prudente prevê o mal, e esconde-se; mas os simples, os insensatos, passam e acabam pagando. É raro encontrar pessoas de visão; já os simples são comuns.

4 O galardão da humildade e o temor do Senhor são riquezas, honra e vida. Essas recompensas são cobiçadas por todos, mas elas só podem ser desfrutadas mediante humildade e espiritualidade.

5 Espinhos e laços há no caminho do perverso; o que guarda a sua alma retira-se para longe dele. O caminho do perverso é perigoso e esburacado; se você não quer perder a vida, fique bem longe!

6 Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. Os pais devem saber e ensinar o caminho em que seu filho poderá ser mais útil para si e para os outros e no qual terá mais realização. Os pais devem educar, dirigir e desenvolver a criança, mas devem eles próprios compreender o “caminho” em que a criança deve andar.

7 O rico domina sobre os pobres e o que toma emprestado é servo do que empresta.

8 O que semear a perversidade segará males; e com a vara da sua própria indignação será extinto. Quem semeia o pecado colhe a desgraça, pois todo mal se voltará contra ele. Colhemos aquilo que plantamos.

9 O que vê com bons olhos será abençoado, porque dá do seu pão ao pobre. Quem semeia generosidade só colhe bênçãos. Contraste com o versículo 8.

10 Lança fora o escarnecedor, e se irá a contenda; e acabará a questão e a vergonha. Permitir que o escarnecedor ande em nossa companhia é convidar problemas. 

11 O que ama a pureza de coração, e é amável de lábios, será amigo do rei. O puro de coração fala com suavidade e espalha paz por onde passa. Tal pessoa é bem-vinda até mesmo na realiza, pois seus elogios são evidentes e sinceros. Contraste com o versículo anterior.

12 Os olhos do Senhor conservam o conhecimento, mas as palavras do iníquo ele transtornará. O Senhor vigia e protege o que tem conhecimento, o sábio, mas subverte os planos do desobediente e os reduz a nada.

13 Diz o preguiçoso: Um leão está lá fora; serei morto no meio das ruas. A chance de um leão que devora gente estar solto pelas ruas da cidade ou vila, é muito pequena, mesmo assim, isso se torna desculpa para a indolência.

14 Cova profunda é a boca das mulheres estranhas; aquele contra quem o Senhor se irar, cairá nela. A sedução da mulher devassa é uma armadilha perigosa; e, se você tiver dado as costas para o Eterno, com certeza cairá nela.

15 A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da correção a afugentará dela. A estultícia parece ser parte essencial da infância. É trabalho dos pais fazer uso criterioso da instrução e correção, a fim de vencer o mal que eles mesmos transmitiram aos filhos.

16 O que oprime ao pobre para se engrandecer a si mesmo, ou o que dá ao rico, certamente empobrecerá. Tanto quem se aproveita do pobre quanto quem bajula o rico terão o mesmo fim; cairão na sarjeta!

17 Inclina o teu ouvido e ouve as palavras dos sábios, e aplica o teu coração ao meu conhecimento. Aproveite o conhecimento do sábio e aplique-o em seu viver.

18 Porque te será agradável se as guardares no teu íntimo, se aplicares todas elas aos teus lábios. Esses ensinamentos serão muito importantes para o seu dia a dia.

19 Para que a tua confiança esteja no Senhor, faço-te sabê-las hoje, a ti mesmo. Só existe sabedoria verdadeira aliada ao temor do Senhor.

20 Porventura não te escrevi excelentes coisas, acerca de todo conselho e conhecimento,

21 Para fazer-te saber a certeza das palavras da verdade, e assim possas responder palavras de verdade aos que te consultarem? É possível que alguns dos provérbios que se seguem, até o capítulo 24, totalizando 30 ensinamentos,  tenham sido escritos especialmente para os mensageiros levarem ao seu senhor.

22 Não roubes ao pobre, porque é pobre, nem atropeles na porta o aflito. Este conselho parece ser dirigido aos juízes que se assentavam “à porta” com o objetivo de adverti-los sobre o favorecimento do rico e a opressão do pobre, com vistas a lucros pessoais;

23 Porque o Senhor defenderá a sua causa em juízo, e aos que os roubam ele lhes tirará a vida. O Senhor assumirá a causa dos aflitos e lhes fará justiça.

24 Não sejas companheiro do homem briguento nem andes com o colérico. Não ande com gente que só cria confusão; fique longe de quem tem o pavio curto. Os ataques de raiva, ira, impaciência podem fomentar uma reação parecida em quem está por perto.

25 Para que não aprendas as suas veredas, e tomes um laço para a tua alma. Isso é contagioso e pode te afetar.

26 Não estejas entre os que se comprometem, e entre os que ficam por fiadores de dívidas. Não aposte em coisas como o pote de ouro no fim do arco-irias, dando como garantia a sua própria casa;

27 Pois se não tens com que pagar, deixarias que te tirassem até a tua cama de debaixo de ti? Você ficará só com a roupa do corpo.

28 Não removas os antigos limites que teus pais fizeram. Não altere os limites da propriedade demarcados há muito pelos seus antepassados.

29 Viste o homem diligente na sua obra? Perante reis será posto; não permanecerá entre os de posição inferior. Observe aquele que é bom no que faz, que é rápido, habilidoso e pronto para servir – os bons profissionais são solicitados e admirados e não ficam à sombra de ninguém.

Pelo menos dois dos provérbios deste capítulo falam sobre a importância dos pais participarem diretamente da educação dos filhos: no versículo 6, onde os pais são aconselhados a saber, aprender e ensinar o caminho em que seus filhos poderão ser mais úteis à sociedade, e também a escolha de uma profissão que seja mais condizente com as suas inclinações (da criança), e no versículo 15, que fala sobre a hereditariedade na mente de crianças pequenas, e que precisam ser direcionadas pelos pais, através da instrução e da correção, a fim de vencer a estultícia.