Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus. Apocalipse 12:17

Por dois grandes erros – a imortalidade da alma e a santidade do domingo – Satanás irá enredar o povo em seus enganos. Enquanto o primeiro lança o fundamento do espiritismo, o último cria um laço de simpatia com Roma. Os protestantes dos Estados Unidos serão os primeiros a estender as mãos através do abismo para apanhar a mão do espiritismo. Vão estender-se por sobre o abismo para dar mãos ao poder romano. Sob a influência desta tríplice união, esse país seguirá as pegadas de Roma, desprezando os direitos da consciência.

Imitando mais de perto o cristianismo nominal da atualidade, o espiritismo tem maior poder para enganar e enredar. O próprio Satanás está convertido, conforme a nova ordem de coisas. Ele aparecerá no aspecto de anjo de luz. Pela atuação do espiritismo, serão realizados prodígios, os doentes serão curados e serão efetuadas muitas e inegáveis maravilhas. Como os espíritos professarão fé na Escritura Sagrada e demonstrarão respeito pelas instituições da igreja, sua obra será aceita como manifestação do poder divino.

A linha de separação entre cristãos professos e ímpios é agora dificilmente discernida. Os membros da igreja amam o que o mundo ama e estão prontos para se unirem a ele. Satanás está resolvido a uni-los em um só corpo e, assim, fortalecer sua causa arrastando-os todos para as fileiras do espiritismo. Os romanistas, que se gloriam dos milagres como sinal certo da verdadeira igreja, serão facilmente enganados por esse poder operador de prodígios; e os protestantes, tendo rejeitado o escudo da verdade, serão também iludidos. Romanistas, protestantes e mundanos aceitarão a forma de piedade, destituída de sua eficácia, e verão nessa aliança não apenas um grandioso movimento para a conversão do mundo, mas o começo do milênio há tanto esperado.

Por meio do espiritismo, Satanás aparece como benfeitor da humanidade, curando as doenças do povo e pretendendo apresentar um novo e mais elevado sistema de fé religiosa; ao mesmo tempo, porém, ele opera como destruidor.                                     – EGWhite, O Grande Conflito, p. 588, 589.